Maurão, Popó e Marcos Rogério formatam parceria; sem Cassol sucessão estadual ganha força em Rondônia, possível união Jesualdo Pires e Yeda Chaves


A íntegra da coluna redigida pelo jornalista Waldir Costa

Porto Velho, RO
- Eleições – A exclusão do ex-governador Ivo Cassol (PP) das eleições deste ano, após decisão do STF, que o manteve inelegível, o quadro sucessório para o governo do Estado, mudou. Admitam ou não, Cassol era favorito. Se é odiado por poucos também é adorado por muitos. Com ele fora o governador Marcos Rocha (União Brasil), que é pré-candidato à reeleição, ganha força o mesmo ocorrendo com o senador Marcos Rogério, presidente regional do PL, que está entre um cargo de ministro ou de líder do governo federal. Se Marcos Rogério tiver o apoio do ex-senador Expedito Júnior, do PSD, líder político consolidado no Estado, poderá equilibrar as eleições a governador em Rondônia.

Eleições II – Na coluna de quinta-feira (10) a informação de como Cassol surgiu e cresceu politicamente, após Júnior fomentar e abraçar sua candidatura ao governo do Estado em 2002. Assim também foi com o prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves (PSDB) levado para o campo político-partidário nas eleições a prefeito em 2016 e na reeleição em 2020. Hoje temos dois nomes expressivos, que podem fazer a diferença nas eleições estaduais deste ano: Jesualdo Pires (PSB), ex-prefeito de Ji-Paraná e ex-deputado estadual, e a primeira dama de Porto Velho, Yeda Chaves. Na hipótese de Yeda vice de Marcos Rocha, o potencial eleitoral não teria muito a acrescentar, pois Hildon já disse que é parceiro do governador. Mas uma dobradinha Jesualdo/Yeda seria uma composição difícil de ser derrotada...

Parceria – O PTB está se fortalecendo no Estado e nomes expressivos estão se preparando para disputar as eleições gerais de outubro próximo, a presidente da República, governadores, senador, deputados federais e deputados estaduais. Os ex-deputados estaduais Celso Popó, da região de Santa Luzia do Oeste, onde sempre se destacou como liderança política e o ex-presidente da Assembleia Legislativa (Ale), Maurão de Carvalho estão trabalhando a formação de um grupo muito forte, para concorrer nas eleições deste ano, inclusive com pretensões de chegar ao governo do Estado, além de eleger deputados estaduais e no mínimo duas das oito vagas para a Câmara Federal. Com o ex-governador Ivo Cassol (PP) inelegível, a disputa pela sucessão estadual ficou mais aberta e mobiliza as lideranças regionais.

Parceria II – O objetivo do grupo é formatar uma união com o senador Marcos Rogério, presidente do PL no Estado e que trabalha uma pré-candidatura a governador, caso não seja convocado para ocupar um dos ministérios do governo Bolsonaro, dos no mínimo onze, que ficarão vagos, porque os titulares irão disputar as eleições deste ano. Também há possibilidade de Rogério ser o líder do governo no Senado. Mas em Rondônia Popó, Maurão e Rogério trabalham um grupo que, caso seja consolidado, o que é muito provável, pois as negociações estão bem adiantadas, terá muitas chances de sucesso na busca do governo do Estado, além de cadeiras na Câmara Federal e Assembleia Legislativa. Maurão, que obteve mais de 173 mil votos como candidato a governador em 2018, poderá ser o vice de Rogério, inclusive deixando o MDB e se filiando ao PTB. Quem viver verá...

Pé na estrada – Com objetivo de produzir uma reportagem mostrando a importância do desenvolvimento da soja em Rondônia, para ser divulgada pela Rede TV! Rondônia, no programa “Campo e Lavoura” e pelo portal de notícias RONDONIA DINÂMICA, o jornalista, José Luiz Alves, realiza entrevistas com os pioneiros, que aportaram no Cone Sul do Estado lá pelas décadas de 1970/1980, enfrentando as dificuldades possíveis e imagináveis, quando não existiam estradas, tecnologias e nem infraestrutura para a produção de grãos. Relata o jornalista: “a proposta é resgatar um pedaço da história do desenvolvimento econômico e social do Estado, na visão daqueles que acreditaram numa região de cerrado, onde só produzia calango e barba –de–bode”.

Respigo

Não foi por acaso que o grupo Sílvio Santos cresceu e se consolidou nacionalmente. Uma senhora de Porto Velho comprou um carnê do Baú da Felicidade há 4 anos +++ O título de capitalização devolve o dinheiro investido com juros, mas em mercadoria, no caso produtos da Jequiti. A senhora, que deveria ter escolhido os produtos e encaminhado o pedido para o Baú não fez o procedimento. Na última semana, após mais de 4 anos, mesmo sem ter solicitado, ela teve o dinheiro investido, com juros, em produtos da Jequiti entregues em sua residência +++ O argumento que o serviço de tapa-buracos é mais caro que um recape, muito utilizado por administradores públicos tem sentido. Na maioria dos casos o tapa-buracos é um paliativo de pouca durabilidade e de custo elevado +++ Mas quando o trabalho é bem feito e no início do processo de deterioração o prejuízo é menor para motoristas e motociclistas e para o bolso da comunidade. Depois que a água infiltra na base tudo fica mais difícil, por isso a manutenção é fundamental +++ Abordamos o assunto, porque boa parte da malha rodoviária de Porto Velho está esburacada. E o problema ocorre no centro e nos bairros.

Fonte: Waldir Costa/Rondônia Dinâmica

Postar um comentário

0 Comentários

Close Menu