Partidos estão desesperados para formar nominatas em Rondônia; Thiago Flores garante candidatura; e Cristiane Lopes vai à Câmara


A íntegra da coluna redigida por Sérgio Pires

BATENDO NA PORTA DO DESESPERO: PARTIDOS GRANDES COMEÇAM A ENGOLIR OS PEQUENOS PARA A COMPOSIÇÃO DE NOMINATAS VIÁVEIS


Porto Velho, RO
- Há algo semelhante ao desespero, para a formação de nominatas na disputa à Câmara Federal (principalmente), mas também à Assembleia Legislativa. As federações não estão fechadas e as já acordadas, como a do PSDB com o Cidadania, ainda não se consolidaram. Em Rondônia, neste momento, os maiores partidos estão mais apressados em formalizar candidaturas viáveis ao Parlamento do que ao Governo do Estado, por exemplo. Há, no quadro desenhado, possibilidades concretas que de alguns partidos considerados nanicos sumam do panorama político, pela inviabilidade de constituírem uma relação de nomes que possam ter chances reais de eleger alguém. Um dos grandões que tem na formação de uma nominata viável sua prioridade, é o MDB.

O partido está conversando com várias lideranças, principalmente de partidos pequenos, que tenham alguns nomes quentes, para uma eventual absorção dessas candidaturas, transformando-as em emedebistas, quando a janela abrir, cooptando políticos que hoje militam em outras siglas. Pelo menos num destes partidos menores, já teria acordo verbal fechado com o MDB, que engoliria todas as candidaturas já postas. Ou seja, não é acordo entre partidos, mas sim entre pessoas. O presidente regional, deputado federal Lúcio Mosquini, responsável pela montagem da relação de nomes (dele, inclusive), para a disputa ao Congresso, mas também à Assembleia, diz apenas que o MDB está conversando com várias lideranças. No União Brasil está acontecendo o mesmo.

Tal qual um buraco negro, que cada vez maior, engole pequenos planetas, o partido liderado por Marcos Rocha está cooptando lideranças de vários nanicos. Pelo menos um deles já teria fechado acordo definitivo, praticamente deixando de existir, com suas lideranças passando, na janela, ao quadro político do UB.

Os principais candidatos ao Governo também lutam, já com grande preocupação, para formar nominatas com viabilidade eleitoral. Marcos Rocha tem ainda as vantagens de estar no poder e, de lambuja, o cofre cheio para investir em todo o Estado, além do poder de negociação de quem tem a caneta na mão. Marcos Rogério recém entrou na briga e terá dificuldades para montar uma estrutura forte, embora tenha ao seu lado, nomes pesos-pesados, como Expedito Júnior, para o Senado e Laerte Gomes, para a Assembleia Legislativa.

Já Léo Moraes, chegou a “namorar” com o MDB, mas como não conseguiu apresentar uma nominata forte e viável e, ao menos por enquanto, essa relação amorosa da política não andou. Vinicius Miguel ainda tenta se armar de parcerias políticas viáveis, conversando com vários setores, mas ainda não teve os avanços que deseja. Já Daniel Pereira, que surge como um nome que pode ser consenso na esquerda rondoniense, tem poder de aglutinar, mas, como ainda nada está definido, não começou a se mexer em busca de nominata com chances reais de eleger alguém.

Enfim, a guerra agora é para se ter nomes viáveis aos Parlamentos, porque, quem não os tiver, pode não eleger ninguém. Daí, a coisa fica feia!

MAURÃO DE CARVALHO ENTRA PARA O PTB E VOLTA À RIBALTA DA POLÍTICA, QUATRO ANOS DEPOIS DE DISPUTAR O GOVERNO

Sem espaço no MDB, partido onde esteve por vários anos e pelo qual chegou a concorrer ao Governo do Estado, na última eleição (foi o terceiro colocado, com quase 174 mil votos) o ex-deputado estadual de cinco mandatos, Maurão de Carvalho, assinou ficha com o PTB, comandado no Estado pelo ex-deputado federal Nilton Capixaba. Maurão começou sua carreira política como prefeito da cidade de Ministro Andreazza, em 1992, pelo mesmo PTB, partido ao qual volta 30 anos depois. Nesse meio tempo, foi uma das figuras mais destacadas do PP. Em 2016, quando ficou claro que o partido não lhe daria a vaga de candidato ao Governo, Maurão ingressou no então PMDB, que hoje voltou a ser MDB, que garantiu sua postulação. Na disputa de 2018, ele teve atuação destacada. Foi derrotado no primeiro turno por Expedito Júnior, que ficou na frente e pelo Coronel Marcos Rocha, eleito no segundo turno, que teve carca de 11 mil votos a mais que Maurão. O então presidente da Assembleia Legislativa do Estado lamentou que creditava sua derrota “ao fator Bolsonaro”. Afastado da política nos últimos anos, ainda enfrentou a Covid 19, sendo internado por vários dias, mas, felizmente, venceu a doença. Agora volta ao cenário das disputas eleitorais. O PTB o tem como uma espécie de coringa. Maurão pode disputar uma cadeira na Câmara Federal, pode ir ao Senado ou, ainda, como está sendo cogitado, pode ser candidato a vice-governador, em acordos que ainda estão sendo conversados. As conversas com o União Brasil e com Marcos Rocha estariam muito avançadas Enfim, um nome de peso da política rondoniense volta à ribalta!

MDB CONVERSA COM MEMBROS DO AVANTE, QUE TEM PELO MENOS QUATRO NOMES VIÁVEIS PARA A CÂMARA FEDERAL

Pela nova lei eleitoral, calcula-se que serão necessários cerca de 100 mil votos, em Rondônia, para a eleição de um deputado federal. Não há, ao menos até agora, uma nominata que possa apresentar candidatos com essa votação. Por isso a correria. O MDB, por exemplo, está prestes a fechar um acordo com o Avante, partido presidido no Estado pelo deputado estadual Jair Montes e em Porto Velho pelo advogado Breno Mendes. O Avante tem pelo menos quatro nomes fortes para a corrida à Câmara Federal e é isso que atrai a sigla. Além do próprio Breno Mendes, uma liderança emergente na Capital (fez mais de 25 mil votos quando disputou a Prefeitura), a sigla trouxe para seus quadros outro nome quentíssimo para a Câmara: o ex-prefeito de Ariquemes, Thiago Flores, que, certamente, é uma das candidaturas mais promissoras do interior rondoniense. Outros dois compõem a relação dos pré-candidatos ao partido ao Congresso. Um deles é o médico Silmar Camarini, de Ji-Paraná, bolsonarista e que, na última eleição, teve mais de nove mil votos na sua cidade. O outro é Wellison Nunes, de Nova Mamoré. Ou seja, é esse pacote de candidaturas que já estão postas, em que o MDB está de olho, para reforçar sua estrutura, visando a eleição de outubro. O partido maior já fez propostas aos representantes do partido menor e as conversações continuam andando. É possível que nos próximos dias, as coisas, nesse sentido, comecem a aparecer com mais clareza.

UNIÃO BRASIL DE OLHO NO PATRIOTAS. E O REPUBLICANOS TAMBÉM NA MIRA DE OUTROS PARTIDOS

É neste mesmo pacote de necessidades que o União Brasil, presidido no Estado por Marcos Rocha, também está cooptando candidaturas de partidos menores. Nos bastidores, o que se ouve é que a nova sigla, nascida da fusão do DEM com o PSL, estaria muito perto de fechar um acordo com o Patriotas, dirigido no Estado pelo deputado Marcelo Cruz. O Patriotas, aliás, realizou encontro estadual em Ariquemes, dias atrás e teria definido também uma nominata muito positiva, que poderia ir em peso para o partido de Rocha. Por enquanto, ninguém fala claramente sobre o assunto, mas o que se pode afirmar, com absoluta certeza, é que as conversas existem e estão em andamento. No próximo dia 26 deste março, na casa de shows Talismã, o União Brasil faz seu segundo encontro estadual, quando já poderá apresentar um quadro mais detalhado sobre as negociações políticas que estão em andamento. Há ainda outro partido forte, que está sendo alvo de “namoros” por outras siglas. Trata-se do Republicanos, que tem como nome mais forte o do ex-deputado federal Lindomar Garçon, mas agora recebeu outro personagem importante, que também disputará a Câmara Federal, o deputado Anderson Pereira, que oficializou seu ingresso no partido em um vídeo, ao lado do presidente regional, Alex Redano. O Republicanos quer vir poderoso para a disputa. O partido, em Rondônia, está entre as siglas que vão apoiar a reeleição de Marcos Rocha, a menos que haja uma grande surpresa, daqui para a frente, no contexto da corrida ao Governo..

THIAGO FLORES GARANTE QUE TEM TODAS AS CERTIDÕES QUE COMPROVAM QUE ELE PODE DISPUTAR A CÂMARA FEDERAL

O ex-prefeito de Ariquemes, Thiago Flores, foi às redes sociais, nesta quarta, para garantir que tem todas as certidões de que está apto, sob todos os aspectos, a concorrer em outubro, a uma vaga à Câmara Federal. Thiago teve reprovadas contas quando ocupou um posto no governo Confúcio Moura, mas, ele explica, o que ocorreu foram erros que jamais envolveram dolo, corrupção ou outro crime que poderia levar a uma inegibilidade. Para o ex-prefeito, fica claro que não há nada que o impeça de continuar sua caminhada rumo ao Congresso. Nesta semana, aliás, Flores visitou vários municípios da região, conversando com lideranças, amigos e parceiros políticos, reafirmando sua intenção de, quando a campanha for oficializada e ele estiver na batalha pelo voto da população, apresentar-se como um defensor da região e do Estado, em suas causas mais importantes. Thiago tem uma história política diferenciada. Quando deixou a Prefeitura que comandou, com aprovação de 88 por cento, poderia ter tido uma reeleição muito fácil. Optou, contudo, pela renúncia a um projeto político, para dedicar-se à família, já que estava prestes a ter o primeiro filho. Parceiro do grupo político que tem a atual prefeita Carla Redano e o seu marido, o presidente da Assembleia Legislativa, Alex Redano como líderes, Thiago também teve papel importante na campanha que levou Carla ao comando da Prefeitura. Ela entrou praticamente na última hora e ganhou a eleição contra adversários muito fortes.

CRISTIANE LOPES, NOME QUENTÍSSIMO À CÂMARA, COMANDA  A  ALA FEMININA DO UNIÃO BRASIL


Enquanto vários partidos buscam candidatas viáveis para a eleição deste ano, um deles, o União Brasil, está nadando de braçada, pelo menos em relação a um nome: o da ex-vereadora e apresentadora de TV, Cristiane Lopes. Recém nova mamãe, com a chegada de sua filha (Hadassa Cristina) há poucas semanas, Cristiane é um nome que se consolidou na política rondoniense e que aparece, em qualquer análise que se faça sobre as possibilidades reais de boa votação, entre aquelas que podem almejar uma cadeira à Câmara Federal. Na última eleição para o Congresso, a jornalista e apresentadora fez nada menos do que 20.350 votos, numa performance surpreendente, porque trabalhou praticamente sozinha e sem recursos. Os gastos foram, apenas, de vários pares de sapato, porque a sola deles ficou corroída, de tantas caminhadas e visitas. Na sua segunda tentativa, dessa vez como candidata à Prefeitura da Capital, ela fez 31.461 votos, o que a levou ao segundo turno, enfrentando então o candidato Hildon Chaves, que concorria à reeleição. A ex-vereadora perdeu a disputa, chegando a 91.015 votos, 18 mil a menos que seu então adversário. Hildon ganhou a disputa com bastante folga, mas a performance de Cristiane foi marcante, novamente. Ela saiu do PP, seu antigo partido e entrou para o Podemos, de Léo Moraes. Não durou muito por lá. Convidada pelo governador Marcos Rocha, Cristiane assumiu como secretária adjunta da Seduc e, além disso, ingressou no União Brasil, onde comanda a ala feminina do partido. Candidatíssima novamente à Câmara, há quem diga que em qualquer pesquisa que se fizer na Capital, nomes como os dela, de Breno Mendes, de Chico Holanda, estariam entre os cotados com chances para chegar lá. Esperemos para saber!

BOLÍVIA VENDE GASOLINA QUE IMPORTA DO BRASIL POR 4 REAIS O LITRO. ARGENTINOS, NO PICO DA CRISE, PAGAM O MÁXIMO DE 4, 65 PELO LITRO


Gasolina a 4 reais, bem pertinho da gente. E gasolina brasileira! Quem quer? Simples. Basta atravessar a fronteira e ir para a Bolívia, onde os postos vendem, ao consumidor final, o combustível importado do Brasil, por um preço pelo menos 45 por cento menor do que o pobre rondoniense está pagando, ao abastecer seus veículos. É bom que se saiba que grande parte da gasolina e do óleo diesel consumidos em Guajará Mirim, vem do lado de lá da fronteira. Pelo preço que se consegue os dois combustíveis, é um grande negócio. Comprar um litro por 4 reais e vender no lado de cá a 7,30 ou 7,40 reais é, sem dúvida, uma forma de fazer bastante dinheiro bem rapidinho. Mas se formos comparar com a Argentina, por exemplo, que vive uma grave crise econômica e teve dois aumentos seguidos no preço dos derivados de petróleo em pouco mais de uma semana? Ah, lá é diferente. Até o início desta semana, os argentinos abasteciam seus carros com a gasolina custando 4 reais e 65 centavos o litro. Sem contar a Venezuela, que é grande produtora de petróleo, mas é uma ditadura comunista que se perdeu na História, outros países da América do Sul também têm preços bem menores do que os nossos. Com exceção de Uruguai e Chile, que têm preços semelhantes aos do Bfrasil, nos demais países da região, somos os grandes e tristes campeões no preço dos derivados de petróleo, incluindo-se aí o preço do gás de cozinha, esse sim, que prejudica principalmente as famílias mais pobres. Claro que há muitos motivos para estes preços abusivos no nosso país, mas será que são bem menores em países vizinhos porque neles não existe a Petrobras?

BOLSONARO VOLTA AO ACRE DEPOIS DE UM ANO, PARA ENCONTRO COM EVANGÉLICOS E ENTREGA DE TÍTULOS DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA

Bolsonaro anda por perto! Nesta sexta, ele estará em Rio Branco, no Acre. Seu principal compromisso será participar de um grande evento evangélico, que acontece numa das maiores casas de shows da Capital acreana, mas também deve assinar documentos de regularização fundiária no Estado. O encontro com pastores é liderado pela Igreja Assembleia de Deus do Acre e não será aberto ao público. Será apenas para autoridades e convidados. O evento religioso, denominado de “Encontro Cristão de Fé e Cidadania” terá também a participação de cantores de música Gospel e um almoço. Não está confirmado se o Presidente fará algum discurso. Bolsonaro tem sido mais presente na região norte, nos últimos meses. Em Rondônia, já esteve duas vezes, em menos de nove meses. Em maio do ano passado, o Presidente comandou a solenidade de inauguração da nova ponte sobre o rio Madeira, na Ponta do Abunã. Retornou no início de fevereiro, para um encontro com o presidente do Peru, Pedro Castillo. No dia 3 do mês passado, por algumas horas, o governo brasileiro foi transferido para o Palácio Rio Madeira/CPA, na Capital rondoniense, onde os dois chefes de Estado se reuniram. A última visita do Presidente da República ao Ace foi em 21 de fevereiro do ano passado, quando, acompanhado de ministros e autoridades do Estado, sobrevoou as áreas afetadas por mais uma grande enchente que os acreanos enfrentavam. Por enquanto, não há mais detalhes da visita e nem sobre quando tempo ela vai durar.

CONFÚCIO LANÇA EM ARIQUEMES O PROJETO CIDADES INTELIGENTES, COM INVESTIMENTOS DE 22 MILHÕES DE REAIS

Com recursos de mais de 22 milhões de reais, de emenda do senador Confúcio Moura (por meio do Ministério da Ciência Tecnologia e Inovações), o Projeto Cidades Inteligentes será lançado em Ariquemes, nesta sexta. Elaborado pelo Instituto Federal de Rondônia, o IFRO, o projeto se desenvolveu em parceria com a Prefeitura da cidade e, segundo Confúcio, “vai transformar a gestão pública, colocando os serviços à disposição do cidadão de forma mais próxima, rápida e ágil”. Confúcio, duas vezes prefeito de Ariquemes, no Senado tem dado atenção muito especial a todos os temas relacionados com a educação e com o conhecimento. O projeto “Cidades Inteligentes” , que o senador considera “audacioso e inovador”, faz parte deste pacote de metas a serem atingidas. Segundo ele, Ariquemes formará “uma grande rede inteligente, inovadora e acessível a todos”. Aliás, por falar em Confúcio, ele reafirmou pela enésima vez, que não será candidato ao Governo do Estado. Procurado novamente por amigos, partidários e correligionários nos últimos dias, com pedidos para que revisse sua posição, o senador deixou claro que a decisão é irreversível e que ele, inclusive, já tem projetos para os seus próximos cinco anos de mandato como Senador da República, representando nosso Estado. O evento desta sexta, em Ariquemes, vai acontecer às 9 horas da manhã, no IFRO.

PERGUNTINHA


Você acha que o presidente da Rússia, Vladimir Putin, vai recuar ante as pressões do mundo e se retirar da Croácia ou teme que a guerra continue ainda por longo tempo, com todas as suas trágicas consequências?

Fonte: Por Sérgio Pires

Postar um comentário

0 Comentários

Close Menu