Brasil tem potencial de aumentar oferta de óleos vegetais em 145%


Foto: Claudio Neves/ Portos do Paraná

Porto Velho, RO - A atual produção brasileira de óleos e gorduras vegetais é suficiente para atender a demanda pelo B20 (20% de biodiesel adicionado ao diesel comercial). O amplo potencial de crescimento da produção pode ser feito com o aumento do esmagamento doméstico de soja e de caroço de algodão. Também existem oportunidades nas cadeias produtivas da palma, canola, girassol e amendoim. 

Esta foi uma das análises feitas pelo economista chefe da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), Daniel Furlan Amaral, durante o 2º Congresso da Rede Brasileira de Bioquerosene e Hidrocarbonetos Sustentáveis para Aviação (RBQAV), realizado no último dia 17 de maio, em Natal (RN).

Amaral apresentou números de produção e outros dados da cadeia produtiva de oleaginosas, gorduras e biodiesel, como número de empregos, renda e os aspectos relacionados à sustentabilidade dessas atividades. A estimativa da safra de soja para este ano é de 125,4 milhões de toneladas, com um processamento do grão na casa das 48 milhões de toneladas. Já a produção de farelo de soja será de 36,7 milhões e a de óleo de soja de 9,7 milhões de toneladas.

O volume de óleo soja somado ao de óleos vegetais de outras fontes, como o de caroço de algodão e o de palma, alcança um total de 11 milhões de toneladas. Porém, existe potencial para se chegar a 27 milhões de toneladas, incremento de 145,4%, o que aumentaria a oferta de matéria-prima para a produção de biodiesel e de alimentos.

“Se, já no curto prazo, forem implementadas ações para fortalecer o programa nacional do biodiesel, haverá estímulo ao processamento de oleaginosas e, portanto, mais oferta de óleos e farelos vegetais. Com a maior produção e consumo de biodiesel, o Brasil terá maior segurança energética pela redução da importação de diesel mineral, menor emissão de CO₂, melhoria da qualidade do ar, fomento à agricultura familiar e geração de emprego e renda, bem como ampliação da produção de rações animais”, comenta o executivo.

Vale destacar que, segundo levantamento feito pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), a cadeia produtiva da soja e do biodiesel gerou PIB de R$ 745 bilhões e mais de 560 mil empregos diretos em 2021.

Diante dos expressivos números, Amaral ressalta a importância de se retomar o crescimento da mistura de biodiesel ainda em 2022. “É fundamental retomar o cronograma oficial do aumento da mistura definido pela Resolução nº 16/2018 do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) a fim de que o biodiesel possa proporcionar ao país os benefícios econômicos, sociais e ambientais já documentados”, finaliza.

Fonte: Canal Rural

Postar um comentário

0 Comentários

Close Menu