Marcos Rogério já escolheu a postura para as eleições de 2022 ao Governo de Rondônia: cem por cento ataque, pouca proposição


O senador de Rondônia, do PL, só fala em Bolsonaro, mas diz que quer ser eleito apesar de sua lealdade aduladora


Porto Velho, RO – O senador de Rondônia Marcos Rogério, do PL, vive o apogeu de toda a sua vitoriosa – e meteórica –, carreira política. Paralelamente, seria como dizer que o congressita acertou na Mega-Sena das convenções que regem o Poder em Brasília.

Isto porque lá atrás em 2018 quando de maneira inédita em sua biografia o membro da Câmara Alta, vindo da Baixa, aproveitando o boom do bolsonarismo no Brasil, tirou sua primeira foto fazendo o famigerado gesto da “arminha”, popularizado pelo regente do Planalto, eleito naquele ano.

Nascia ali o subalterno de uma pauta só, como qualificou três anos depois e de maneira apropriada o seu colega Alessandro Vieira (Cidadania-CE) quanto entoou ao jornalista:

“O Senado não tolera sabujice”.

Vieira foi “na mosca” ao descrever Rogério, mas errou feio na acertiva quanto à instituição. Porque o Senado não só tolera sabujice, como dá palco e a promove, tornando seus adeptos figuras de importância nacional, que falam às emissoras supostamente representando o povo brasileiro e em prol do País.



A CPI da Pandemia rendeu “coragem” ao político rondoniense, que, em 2019, agiu como “coveiro” da Lava Toga, quando a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) avaliou a possibilidade de investigar a (má) atuação de ministros do Supremo (STF).

Ou seja, no dia 10 de abril daquele ano ficou claríssima a diferença entre o Marcos Rogério do gogó, da conversinha, do papo furado, e o Marcos Rogério da ação, dos fatos, do empírico. E a distância entre o homem e o personagem, portanto, é abissal.


Marcos Rogério está no PL, partido do Mensaleiro indultado Valdemar Costa Neto

E essa é só uma faceta que não leva em conta contradições, como, por exemplo, o fato de ter entrado no partido de Valdemar Costa Neto, preso no escândalo do Mensalão. Neto foi condenado a 7 anos e 10 meses de cadeia por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, mas acabou indultado por Luis Roberto Barroso em 2016.

Marcos Rogério nunca falou sobre a corrupção do correligionário.

A despeito das imperfeições, ainda assim o neobolsonarista tem, de fato, potencial para ser o principal concorrente do atual governador Coronel Marcos Rocha, do União Brasil.

E sua postura enquanto pré-candidato já eviscera de maneira objetiva qual será seu comportamento durante a campanha: cem por cento ataque, pouca proposição.

Na entrevista concedida ao programa “A Hora do Povo”, veiculado pela Rádio Caiari FM, 103,1, e conduzido por Arimar Souza de Sá, Rogério praticamente volta as baterias à atual gestão do Palácio Rio Madeira. E com razão, porque este é o papel da oposição. Porém, o membro do PL vai além: enquanto disursa, tenta, a todo o custo, limar a conexão entre Rocha e Bolsonaro.

CLIQUE AQUI E VEJA A ÍNTEGRA DA ENTREVISTA

Ele alega não querer ser eleito porque é “amigo” do presidente, mas a maior parte da sua composição enquanto pessoa pública está relacionada a esse relacionamento político-institucional com o morador do Alvorada.

O Marcos Rogério de hoje só chegou onde chegou e só está onde está pora causa da relação com Jair Bolsonaro.

E a campanha, no fim, será sobre isso: num estado de maioria ainda bolsonarista, a primeira disputa será pela fatia do eleitorado mais à direita. Sobre quem, na realidade, representa o espectro.

Ainda assim, no frigir dos ovos, e estabelecendo paralelos com o que há no menu, o senador da República é um bom político, regular. E tem ferramentas bem mais contundentes do que a verborragia contumaz vista a cada 2 anos por arquétipos políticos que disputam funções no Executivo. Essa tática, tanto quanto batida, soa como despero. E a exasperação com voz de locução não lhe cai bem também.

Se escolher o caminho das propostas em vez das frases de efeito e bordoadas gratuitas, ou ao menos mesclar uma coisa com outra, com certez o horizonte será mais favorável à vitória.

Fonte: Por Rondoniadinamica

Postar um comentário

0 Comentários

Close Menu