TRIBUTAÇÃO Paraná reduz em 50% alíquota de ICMS interestadual para suínos vivos


Porto Velho, RO O governo do Paraná editou o Decreto 11386 , que reduz de 12% para 6% a alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) nas saídas interestaduais de suínos vivos . A redução é independente, com validade até 31 de julho de 2022, e a validade máxima aos suino do estado.

A aprovação é aprovada pelo Conselho Nacional de Política Fazendária pelo Conselho Nacional de Política , visto que os vizinhos do Sul, Santa Catarina e Rio Grande do Sul disputam alíquota e praticamente por mercados.

Com maior possibilidade de vendas, os produtores paranaenses também podem ter reflexos nos da eficiência do custo de produção, principalmente em alta no preço do milho, principal insumo no setor de produção.

“O governo estadual vinha acompanhando essa situação com preocupação e solidariedade aos produtores, já recebemos lideranças do setor e juntos estamos construindo possibilidades para vencer o momento mais delicado”, disse o secretário de estado da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara.

“A redução em 50% da alíquota é uma alternativa imediata que, esperamos, traga alívio, visto que o Paraná pode deixar de ser apenas depositário de suínos vindos dos vizinhos, igualando o mercado e tornando-se competitivo na venda a outros estados.”, afirma.

Investimentos

Segundo ele, as perspectivas para a suinocultura paranaense continuam muito otimistas. Atualmente, o estado ocupa a vice-liderança na produção de carne. Em 2021, o Paraná abateu 10,7 milhões de cabeças e produziu pouco mais de 1 milhão de toneladas. O Estado fica atrás de Santa Catarina, que produziu 400 mil toneladas a mais.

No entanto, vários empreendedores estão investindo na cadeia suína estadual. Os valores chegam a aproximadamente R$ 3,5 bilhões. “Temos espaço para crescer de 50% a 70% nos próximos anos”, afirmou. Por isso, novas alternativas de escoamento da produção continuarão a ser discutidas com os produtores e com a sociedade.

Uma delas é o reforço da carne suína na alimentação escolar. De acordo com Ortigara, o estado oferece cerca de 1,1 milhão de refeições diárias nas escolas. No entanto, não é uma ação imediata, visto a necessidade, de promover licitação, processo que principalmente pode ser iniciado após as eleições.

“Mas se o Estado conseguir inserir uma carne suína como mais uma proteína na alimentação escolar, importante o mercado especialmente para os produtores de produtores independentes”, auuou.

Fonte: Por Canal Rural 

Postar um comentário

0 Comentários

Close Menu