Empregos no agronegócio atingem melhor marca desde 2015

Reprodução

Em MT, maior produtor de soja, milho, algodão e carne bovina do País, esse crescimento é observado nas empresas que atuam no setor

Porto Velho, RO - O número de pessoas ocupadas no agronegócio aumentou 5,5% em 2021, em comparação com o ano anterior.

São aproximadamente um milhão de pessoas a mais trabalhando no setor.

O volume total representa 20% do número de pessoas ocupadas no Brasil.

'Dobradinha' é diferencial, e expansão é 4 vezes a alta nacional

De acordo com o Centro de Estudos Avançados de Economia Aplicada (Cepea), este é o maior volume de trabalhadores registrados nos últimos cinco anos.

Em Mato Grosso, maior produtor de soja, milho, algodão e carne bovina do País, esse crescimento é observado nas empresas que atuam no setor.

A Nutripura, empresa que atua com pecuária de corte, indústrias de ração e revenda de insumos agropecuários, registrou aumento de 11% no quadro de funcionários entre 2020 e 2021.

“Desde 2019, a Nutripura vem registrando crescimento consecutivo nas equipes, principalmente das áreas de pesquisas e vendas, reflexo da expansão do setor pecuária e dos investimentos em pesquisas que têm permitido à empresa ampliar e diversificar os negócios”, afirma o sócio-diretor Luciano Resende.

De acordo com o levantamento do Cepea, o setor primário foi o que mais cresceu ano passado, com alta de 7% e somando 8,59 milhões de pessoas.

Em seguida aparecem serviços, que cresceu 4,5% e somou 5,78 milhões, e a indústria, com alta de 3,5% e 3,83 milhões de pessoas ocupadas.

A valorização de commodities como soja, milho, algodão contribuiu para o crescimento dentro da porteira.

Na pecuária, a bovinocultura, pesca e aquicultura cresceram, enquanto a criação de suínos e frangos caiu, pressionados pelo aumento no custo de produção.

Para o diretor de vendas da Nutripura, Luciano Resende, o crescimento no setor de serviços e indústria foi puxado pelo aumento nas vendas de insumos, o que impulsionou a produção e comércio.

“Com a valorização das commodities, os produtores trabalharam para recuperar as perdas de 2020, como ocorreu com o milho, e também para atender a demanda internacional. Na pecuária, mesmo com a saída temporária da China do mercado, que era nosso principal parceiro comercial, não houve queda nas exportações”, afirma Resende.

A expectativa da Nutripura é manter os investimentos em pesquisa e ampliar as frentes de atuação dentro do estado de Mato Grosso.

“Percebemos um potencial muito grande aqui dentro do Estado e nossa meta é dobrar nossa participação no mercado de suplementação animal, pesquisas, tecnologias e gestão de produção nos próximos cinco anos”, explica o diretor de pesquisa da empresa, Lainer Leite.

Fonte: Por Marianna Peres da Reportagem DC

Postar um comentário

0 Comentários

Close Menu