Seus filhos já estão no metaverso: o que isso significa na educação?

 Seus filhos já estão no metaverso: o que isso significa na educação?| Foto: Big Stock, cc7 studio/Reprodução

Porto Velho, RO - Nos últimos meses fomos frequentemente impactados por notícias sobre o metaverso. Desde investimentos em NFT (non-fungible token), passando por venda de terrenos no mundo virtual até anúncios de marcas entrando nesse mercado. O que ganhou força no ano passado com o Facebook, ou melhor, o Meta, agora é um assunto que gira na cabeça de jovens e adultos, adolescentes e executivos.

Apesar de a plataforma ser bem nova, não é algo exatamente inovador no universo digital. Antes de o recurso alcançar lares e empresas no mundo todo, já tivemos outras experiências com algumas realidades virtuais. Quase 6% dos brasileiros que estão na internet já tiveram contato ou já estão inseridos nos diferentes mundos digitais, segundo a Kantar Ibope Media. São cerca de 4,9 milhões de pessoas apenas no nosso país que já usaram desde o Buddy Poke - avatares usados no extinto Orkut - a jogos como The Sims, Fortnite e Minecraft (considerados exemplos de realidades alternativas como o metaverso).

A questão, no entanto, é a que nível essa tecnologia vai chegar daqui para frente e qual espaço ela terá em nossas vidas para além do entretenimento. Como profissional do setor de educação, não posso deixar de pensar sobre as aplicações e consequências disso na vida das crianças, que já estão interagindo, brincando e construindo suas percepções e cognições também em uma realidade alternativa. Muitas vezes, mais presentemente no universo paralelo do que no mundo analógico, onde os relacionamentos humanos e experiências mostram-se ter mais solidez.

Precisamos considerar, no entanto, o metaverso como a tendência dos próximos cinco anos na educação. Afinal, a tecnologia tem um potencial gigantesco para revolucionar a forma como estudamos, aprendemos e vivemos o conhecimento. Modelos conteudistas, ancorados em técnicas de assimilação de dados, cedem cada vez mais lugar às experiências e modelos criativos de desenvolvimento de pensamento e processos, como forma principal de aprendizado.

Por meio dos universos alternativos, é possível não somente entrar em contato com o conteúdo pedagógico, mas igualmente vivenciá-lo. Já imaginou possibilitar para alunos no Brasil uma viagem no tempo para o dia a dia da antiga cidade grega de Esparta, no século X a.C? Observar os costumes, a estrutura e o modelo daquela sociedade? Ao mesmo tempo, por que não treinar seu inglês em um tour virtual pela Universidade de Oxford? Tudo isso dentro de uma sala de aula.

Contudo, há que considerar alguns “poréns”, entre muitos aspectos positivos do metaverso. Em primeiro lugar, é importante aproveitar esse momento no qual a estrutura dos metaversos ainda está em construção. Para unir um grupo de profissionais multidisciplinares e criar esse espaço juntos, de forma responsável, principalmente quando estamos pensando em ferramentas escolares. Pela primeira vez, pesquisadores, educadores, formuladores de políticas e designers digitais têm a chance de liderar o caminho, em vez de serem levados pelo tsunami das novas tecnologias.

Dos aplicativos educacionais disponíveis hoje no mercado, são poucos os que realmente contam com uma equipe pedagógica e que usam pesquisas científicas ou resultados empíricos sobre a melhor forma de aprender e ensinar. É por isso que tem sido o trabalho dos educadores e escolas agir como curadores e ensinar as crianças a pensarem criticamente nas informações que chegam até elas.

Por isso, é necessário rever a formação de profissionais para que compreenda este novo ambiente, linguagem e adequações. E isso demanda habilidades e estudos específicos combinados com diversas outras áreas do conhecimento, com foco em disciplinas de humanidades.

Um segundo ponto a ser considerado é o pensamento crítico aliado ao desenvolvimento de habilidades pessoais. Esses são dois aspectos que devem ser contemplados quando pensamos na inserção de crianças no ambiente digital. Desenvolver esses dois aspectos também permite que as crianças aproveitem melhor as ferramentas disponíveis durante a formação, estimulando a compreensão pela importância de processos e não apenas aguardando resultados rápidos. Da mesma maneira, aprimorando habilidades de comunicação, interação social e compreensão cognitiva sobre o tempo e processos.

Ao longo da história humana, temos inúmeros exemplos de como a tecnologia foi capaz de transformar nosso mundo e sociedades para melhor. É a nossa humanidade, porém, que permite o pensamento crítico, a capacidade de criar soluções e processos, além de ampliar a capacidade de compreensão sobre pessoas, relacionamentos e de nós mesmos. Aliás, quem viu o primeiro filme da trilogia Matrix, pode se recordar do personagem principal, Neo, escolhendo a pílula vermelha e acordando da alienação provocada pelo automatismo e do entorpecimento provocados pela vivência sem crítica da realidade virtual.

Também vale observar os aspectos de segurança e de acessibilidade. Nossas informações pessoais estariam expostas e não se sabe exatamente em qual domínio. Quando falamos de crianças neste ambiente, isso é ainda mais delicado por conta da proteção. As conversas ficarão salvas? Quem terá acesso? Como controlar até que parte do metaverso as crianças terão acesso? E quem estará interagindo com elas e com qual propósito?

Sobre esses questionamentos, muitos especialistas acreditam que a inteligência artificial é nossa principal aliada. E ela realmente terá um papel importante nesta nova realidade alternativa. No entanto, cada vez mais, me parece que a resposta está em garantir a segurança do ambiente digital e que nós estejamos preparados para pensar criticamente sobre o que é a realidade, o que nos ajuda e o que nos entorpece e aliena, nos tira o protagonismo das nossas vivências, experiências e capacidade de modificar para melhor as realidades à nossa volta.

Com o metaverso temos a possibilidade de criar um mundo novo. A questão é como ele será construído e como preparamos os nossos jovens para ele.

Fonte: Por Ana Paula Seixas

Postar um comentário

0 Comentários

Close Menu