EXPORTAÇÃO China quer milho brasileiro 'imediatamente', diz ministro da Agricultura


Foto: Leonardo Rocha/Embrapa/Divulgação

Porto Velho, RO - A China quer importar milho brasileiro “imediatamente”, segundo o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Marcos Montes. “A conversa inicial previa exportação de milho somente da safra seguinte (2022/23). Estamos discutindo com a China para ver se conseguimos exportar milho ainda da safra atual (safrinha 2021/22)”, declarou o integrante do governo federal.

“É possível reajustarmos este protocolo e enviar milho da safra atual por causa da grande produção de segunda safra que tivemos. E eles (chineses) querem imediatamente”, prosseguiu Montes na segunda-feira (25), durante coletiva de imprensa na edição deste ano do Global Agribusiness Forum (GAF 2022), evento que conta com apoio do Canal Rural. Atualmente, a segunda safra de milho 2021/22 está sendo colhida no Brasil.

Segundo o ministro, ainda nesta segunda-feira a equipe técnica do Mapa conversou com os chineses sobre a implantação do protocolo e possível antecipação dos embarques para a atual safrinha. Ele assegurou que “não falta nada” para o protocolo fitossanitário, mas que o acordo “reserva” espaço para discussão.

“O protocolo com a China foi um grande avanço que tivemos. Acho que produtores estão muito felizes” — Marcos Montes


“Estamos acertando a implementação do protocolo com a China”, relatou. Montes destacou que, além do milho, o protocolo envolve a exportação de amendoim e proteína de soja concentrada do Brasil à China. “O protocolo com a China foi um grande avanço que tivemos. Acho que produtores estão muito felizes”, comentou o titular do Mapa.

Negociação do Brasil com a China


Foto: Pixabay

A conclusão das negociações do protocolo fitossanitário para exportação de milho brasileiro ao mercado chinês foi anunciada em 23 de maio, por representantes dos dois países, durante o encontro bilateral na 6ª Sessão Plenária da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (Cosban).

Fonte: Por Estadão Conteúdo

Postar um comentário

0 Comentários

Close Menu