NEGÓCIOS Agro Amazônia compra a rede mineira de distribuição de insumos Nativa


“É o maior investimento da história da companhia”, afirmou Roberto Motta, CEO da Agro Amazônia

Porto Velho, RO
- Uma das maiores distribuidoras de insumos do país, a Agro Amazônia, com sede em Cuiabá, assinou um acordo para adquirir a Nativa Agronegócios, empresa que atua no mesmo segmento, na região do Cerrado Mineiro.

O valor do negócio, que ainda depende da aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), não foi divulgado.

“É o maior investimento da história da companhia”, afirmou Roberto Motta, CEO da Agro Amazônia.

Leia também:

Há mais de umano, Cuiabá é líder na geração de energia solar

Fundada há 39 anos, a rede é controlada pela japonesa Sumitomo Corporation, desde 2015.

Conta com 50 lojas em oito Estados — Mato Grosso, Goiás, Tocantins, Pará, Rondônia, Maranhão e Acre — e faturou R$ 3,5 bilhões no exercício 2021 (encerrado em março passado), 45% mais do que no ano-fiscal 2020.

Com a aquisição, a companhia passará a atuar não só em uma nova região agrícola, mas também com produtores de culturas que ainda não frequentam sua lista de clientes, como os de café, marcantes no Cerrado Mineiro, e de hortifrútis como batata, cenoura e cebola, entre outros.

A Nativa tem oito lojas em Minas Gerais, e também é dona de uma fábrica de fertilizantes especiais e de uma estação experimental.

Aliados à agricultura de precisão, os fertilizantes especiais, fabricados em Ibiá, tendem a fortalecer as soluções de maior valor agregado oferecidas pela empresa, onde o atendimento é “customizado” e as margens são maiores.

E, segundo Motta, a estação experimental da Nativa em Patos de Minas será um importante campo de testes para o desenvolvimento de novos insumos e para estreitar o relacionamento com produtores.

“Já estamos planejando a abertura de outras estações em polos nos quais já atuamos”, afirmou o executivo.

A Nativa emprega, no total, cerca de 220 pessoas, e sua aquisição tende a acelerar o ritmo de crescimento da Agro Amazônia, que praticamente já dobrou de tamanho desde o exercício 2019.

O negócio também sedimenta a empresa no grupo de players que nos últimos anos têm atuado como consolidadores no mercado brasileiro de distribuição de insumos agrícolas, como AgroGalaxy, Lavoro, Sinagro, Nutrien e Syngenta, entre outros em expansão.

Esses grupos já investiram centenas de milhões de reais em aquisições e, como o segmento continua bastante pulverizado, os aportes certamente ainda vão aumentar.

De acordo com Motta, os insumos agrícolas, voltados sobretudo a lavouras de soja, milho e algodão, representaram 83% do faturamento da Agro Amazônia no exercício 2021.

Nessa frente, os defensivos liderarm as vendas e responderam por 45% do total, seguidos por fertilizantes (23%), sementes (27%) e nutrição vegetal (5%). Nos negócios de insumos para pecuária — 17% do faturamento em 2021 —, o destaque são os herbicidas para pastos, com fatia da ordem de 40%.

Conforme o CEO, tendo em vista a demanda aquecida e os preços mais elevados dos insumos em geral (principalmente depois da invasão russa na Ucrânia, que fez os fertilizantes dispararem), a Agro Amazônia deverá crescer de 40% a 45% neste ano-fiscal 2022, sem contar a aquisição da Nativa Agronegócios — mas com a previsão de inauguração de mais seis ou sete lojas.

“É um ano diferente. Com o aumento de custos com fertilizantes e também com defensivos e sementes, as margens vão diminuir na safra 2022/23 e os produtores não poderão errar. Assim, também estamos ampliando nossos serviços de assessoria aos clientes, ao mesmo tempo em que tornamos mais rígida nossa análise de crédito e a gestão de estoques, porque a tendência é que os preços dos insumos recuem mais para frete”, afirmou Motta.

Fonte: Por Marianna Peres da Reportagem DC

Postar um comentário

0 Comentários

Close Menu