Câncer no fígado é negligenciado por mais da metade dos brasileiros


O câncer do fígado e das vias biliares intra-hepáticas estão em sexto lugar na lista de mortalidade das neoplasias em homens no país.| Foto: Bigstock


Porto Velho, RO
- A convivência crônica com os vírus causadores das hepatites é uma das principais responsáveis pelo chamado carcinoma hepatocelular (ou hepatocarcinoma), que é o tipo mais comum do câncer primário do fígado. E a maior parte dos brasileiros negligencia esse tipo de neoplasia, que ocorre em mais de 80% dos casos e é considerado agressivo. As informações são da Agência Einstein.

Dados de uma pesquisa encomendada pelo Instituto Brasileiro do Fígado (Ibrafig) mostram que 52% da população não fez (ou não sabe se já fez) testes para a detecção de hepatite B. Quando se fala em hepatite C, o número sobe para 60%. Contraditoriamente, oito em cada 10 entrevistados afirmaram saber que a testagem para hepatite está disponível gratuitamente em unidades públicas de saúde. Apesar disso, 47% deles responderam que não realizam o exame por não sentirem necessidade ou dor, enquanto 46% demonstraram falta de interesse.

A pesquisa da Ibrafig entrevistou 1.995 pessoas acima de 18 anos, presencialmente, em 129 municípios das cinco regiões do país, entre os dias 8 e 15 de setembro de 2021. A margem de erro para o total da amostra é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos, dentro do nível de confiança de 95%.

Detecção e evolução

Os cânceres do fígado e das vias biliares intra-hepáticas estão em sexto lugar na lista de mortalidade das neoplasias em homens no país. Entre as mulheres, ocupam a oitava posição, segundo dados de 2019 do Instituto Nacional do Câncer, o INCA. No mundo, de acordo com dados de 2020 da Organização Mundial da Saúde (OMS), a doença é a terceira em óbitos. A hepatite C tem cura e para a hepatite B há uma vacina disponibilizada pelo SUS.

Os exames das hepatites, em caso positivo, são essenciais para avaliar a evolução do hepatocarcinoma, geralmente assintomático e tratável no estágio inicial. Quando descoberto na fase em que os sintomas já se manifestam, os cuidados são prioritariamente paliativos e o prognóstico, menos otimista, segundo informações da Ibrafig.

Além das infecções pelas hepatites, este tipo de câncer pode surgir a partir do uso excessivo de bebidas alcoólicas e a esteatose hepática, ou a “gordura no fígado”. Outros tipos de tumor do órgão são as colangiocarcinomas (inflamação das vias biliares) e angiossarcomas (contato com substâncias carcinogênicas, como cloreto de vinil, arsenicais inorgânicos e solução de dióxido de tório, encontrados em agrotóxicos).

Esses tipos representam os cânceres primários do fígado — que começam no próprio órgão. Há ainda tumores secundários ou metastáticos, cuja origem ocorre em outro local e, com a evolução da doença, chegam ao fígado. De acordo com o INCA, o tipo secundário mais comum vem a partir de tumores no intestino grosso ou no reto.

Sintomas

Dos sintomas que devem chamar atenção, segundo o INCA, estão:

Dor abdominal;

Massa abdominal;

Distensão abdominal;

Perda de peso inexplicada;

Perda de apetite;

Mal-estar;

Icterícia (tom amarelado na pele e nos olhos),

Acúmulo de líquido no abdome.

Hepatites virais

O Boletim Epidemiológico de Hepatites Virais, publicado em julho de 2020 pelo Ministério da Saúde, destaca que 74.864 pessoas morreram no Brasil, entre 2000 e 2018, em decorrência da doença.

Os cinco tipos de hepatite viral (A, B, C, D e E) são provocados por diferentes agentes infecciosos, e os sintomas mais comuns são cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados (icterícia), urina escura e fezes claras.

Há vacinas disponíveis apenas para os tipos A (crianças menores de cinco anos e pessoas com doença no fígado) e B (população em geral).

Prevenção


Evitar a infecção por hepatites virais, especialmente a B e C, diminui o risco do câncer no fígado.

Outras medidas que podem ser tomadas:

Prevenir doenças metabólicas, como o acúmulo de gordura no fígado (esteatose hepática) e diabetes;

Evitar o consumo de bebidas alcoólicas;

Nunca usar esteroides anabolizantes, a não ser com indicação médica específica;

Evitar lesões pré-malignas, como os adenomas de fígado, relacionados ao uso de anticoncepcionais orais;

Manter um peso corporal adequado;

Não consumir alimentos contaminados por aflatoxina – substância produzida por fungos/bolores encontrados no amendoim, milho e mandioca, quando armazenados em condições inadequadas,

Não fumar e evitar a inalação da fumaça do cigarro.

Fonte: Por Equipe Sempre Família

Postar um comentário

0 Comentários

Close Menu